QUANDO AS SOMBRAS SILENCIAM

Ficção espiritual que conta a estória de um casal de missionários, em meio a muita ação e aventura.

HOMENS QUE LUTAM

Nova série de artigos sobre atitudes que tornam os homens mais do que vencedores.

FAMÍLIA - O PAPEL DO HOMEM.

"Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, (Efésios. 5: 25)"

FAMÍLIA - O PAPEL DA MULHER.

"Toda mulher sábia edifica a sua casa; mas a tola a derruba com as próprias mãos. (Provérbios. 14:1)"

POEMAS - Para adoçar a vida!

Poemas que nascem no coração, cresce em nossa mente e alçam vôo em nossa imaginação.

Blog Impressões Sem Pressões

"Em meio a valores distorcidos em nossa sociedade, temos JESUS CRISTO como referencial perfeito!" (Tom Alvim).

sexta-feira, 31 de maio de 2013

PAZ E PROSPERIDADE NA BABILÔNIA

"Procurai a paz da cidade para onde vos desterrei e orai por ela ao Senhor; porque na sua paz vós tereis paz" (v 7)


Babilônia se transformou, ao longo dos séculos, na Bíblia, em símbolo de corrupção, degradação moral e espiritual. Você pode confirmar isso no livro do Apocalipse.

É por isso que esse versículo e mandamento do Senhor são totalmente atuais, apropriados para os nossos dias. Nosso mundo se transformou numa verdadeira Babilônia: Olha a questão gay; casamento homoafetivo; corrupção (nossos parlamentares são os mais caros do mundo – e os menos produtivos); violência; injustiças sociais (o país tem dinheiro para construir milionários estádios para receber uma Copa que durará menos de um mês), enquanto hospitais do SUS permanecem como centros de mortes a décadas; a Justiça pode ser chamada de “cega e inoperante”: mata-se e continua livre; atropela-se alguém bêbado, arranca o braço do sujeito, joga-o no rio, e continua livre. Procura-se no país inteiro uma instituição apropriada para tirar do meio da sociedade um maníaco assassino e não se consegue.

Dá para viver em paz numa “Babilônia” dessa? Do ponto de vista de Deus, dá. Não só viver em paz; mas, ainda, prosperar. Suas recomendações são: Trabalhe pela paz, lute pela paz; ore, cuide da sua família; busque ao Senhor de todo coração. Creia que Ele tem um plano bom para você (vs 7-13). Ele ainda é Deus! Ele ainda está no trono!

Um grande abraço e até amanhã.


VERDADES DITAS NA IMPRENSA...MILAGRE!


O vídeo acima me impressionou, pois ouvir jornalistas falando com tanta coerência como alguns desses acima é algo realmente impressionante...Parabéns ao nobre jornalista, que conseguiu ver aquilo que muitos teimam e não querer ver.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

DESIGN INTELIGENTE...SOMENTE PARA OS INTELIGENTES!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

FAMÍLIA: PAI + MÃE (HOMEM + MULHER)


sábado, 25 de maio de 2013

DONS OU INTEGRIDADE? CHAMADO OU VIDA NO ALTAR?

“Porque eis que tu conceberás e darás à luz um filho sobre cuja cabeça não passará navalha; porquanto o menino será nazireu consagrado a Deus desde o ventre de sua mãe; e ele começará a livrar a Israel do poder dos filisteus” (Jz 13.5)

Alguns personagens bíblicos são tremendos em nos ensinar lições profundas. Creio que Sansão, Jefté, Saul, Salomão e tantos outros estão nos ensinar que dons espirituais, talentos e aptidões naturais; e, até mesmo um chamado divino não são suficientes para nos garantir o sucesso na realização da obra de Deus. Todos eles vieram ao mundo com estas garantias e privilégios. No entanto, todos fracassaram.

Para se realizar a obra do Senhor com sucesso é necessário muito mais. É necessário integridade de caráter, vida no altar, o Fruto do Espírito com todos os seus desdobramentos; realçando: domínio próprio, temperança, autocontrole, irrepreensibilidade. Isso o chamado divino não dá. Os dons naturais e espirituais não garantem. Somente se consegue com uma vida totalmente consagrada no altar do Senhor.
 

HOMEM DE CORAGEM


sexta-feira, 24 de maio de 2013

FRASES INTERESSANTES

Comecei a ler o livro do Lobão: Manifesto do nada na terra do nunca, e pincei uma frase interessante, ou melhor pincei um parágrafo interessante:

"Pelas estatísticas mundiais, para haver guerra civil, é necessário matar, pelo menos uns 10 mil. Uma pechincha comparada ao montante macabro do nosso número imbatível: 50 mil, 50 mil, 50 mil! E terrorista? Quem, por aqui, precisa de terrorista? Terrorista é coisa pra amador. O Brasil é só para profissionais. O Brasil é o Terror! O Brasil é o Terror" (Lobão)


sexta-feira, 17 de maio de 2013

A CAMINHADA


"Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João. 14: 6)

Existem várias formas de caminhada, mas o caminho verdadeiro é apenas um. Essas formas de se caminhar podem ser benéficas, se forem feitas no caminho, pelo caminho e para o caminho, ou não, caso sejam em prol apenas do que caminha, mas a grande verdade nisso tudo é que no final das contas o que vai realmente importar, será aonde ela nos levará, porque o percurso não é muito diferente para os que se aventuram na caminhada, ele traz em sua paisagem as mesmas sensações para todos, contudo a forma de apreciarmos, ou não àquilo que nos é oferecido nesta jornada é que irá ditar se caminharemos em felicidade ou em angústia. 

O fim de toda jornada, enquanto tempo, não nos é dito. Ainda bem, pois se assim fosse muitos não iriam querer seguir em frente, poderiam ficar com receio do inevitável e não aproveitariam as flores coloridas nos jardins, nem o cheiro da chuva que cai na terra, nem tampouco o riso verdadeiro de uma pequena criança que sem nenhuma intenção de ganhar nada nos leva a voltarmos no tempo e nos tornarmos como elas; crianças - caminhando inexoravelmente no caminho que é o único que nos acolhe enquanto nos ensina. - Uma perna após a outra. - E eu vou contigo, apenas caminhe e confie.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Stock.xchng

AntenA CristÃ: 10 citações de Che Guevara que a esquerda prefere ...

10 citações de Che Guevara que a esquerda prefere ...: O único Che Guevara bom é um Che Guevara morto. Da próxima vez que seu filho chegar em casa em uma camiseta do  Che Guevara, pergunte-...

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Decisão do CNJ sobre casamento gay é escandalosamente inconstitucional

O texto abaixo não é de minha autoria, o autor é o Jornalista Reinaldo Azevedo:


Sim, eu sou favorável a casamento gay.
Sim, eu acho que duas pessoas devem ter o direito de fazer o que lhes der na telha, no ambiente apropriado (a restrição vale para homos e héteros), desde que não envolva crianças — eu imporia também restrição à presença de bichos — e que não seja forçado. “Que católico é você?”, já me perguntaram. Ora, um católico que reconhece que, se sexualidade fosse escolha, todo mundo escolheria ser hétero. Simples assim. Adiante. Dito isso, é preciso anunciar o óbvio, que não será dito porque a imprensa ou tem medo do lobby gay ou é sua companheira: a decisão do CNJ, que obriga os cartórios a realizar casamentos homossexuais, é escandalosamente inconstitucional. Desde quando o Conselho Nacional de Justiça, QUE É UM ÓRGÃO DE CONTROLE EXTERNO DO JUDICIÁRIO, TEM ESSE PODER? É uma exorbitância, um absurdo. Essa é tarefa do Congresso. Digamos que este deixasse de cumprir um preceito fundamental da Constituição, aí cumpriria que outra instância do Judiciário interviesse — jamais o CNJ.
Não! O Supremo Tribunal Federal não “legalizou” o casamento gay, não criou o casamento gay, não regulamentou o casamento gay. Até porque não é sua atribuição. O que fez foi reconhecer a união homossexual como união estável. É coisa correlata, sim, mas diferente. O resto, ficou evidente, cabe ao Congresso fazer.
Tanto é assim que há um projeto de lei e uma PEC no Legislativo. O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) apresentou a segunda, alterando a redação do Parágrafo 3º do Artigo 226 da Constituição, que estabelece o seguinte:
“§ 3º – Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.”
Notem: ainda que, parece-me, isso tenha mesmo de ser mudado em face do que decidiu o Supremo, a mudança é inócua porque, por unanimidade, o tribunal decidiu reconhecer como constitucional a união homoafetiva. O que isso quer dizer? Ora, no padrão anterior, se alguém apresentasse um projeto de casamento gay, a CCJ de qualquer uma das duas Casas do Congresso poderia declarar a sua inconstitucionalidade. Agora não é mais inconstitucional.
Mas atenção! Nem tudo aquilo que não é inconstitucional — e se trata, se me permitem, de um conjunto infinito — está regulamentado em lei. E quem cria as normas, segundo os parâmetros da Constituição (ou segundo a interpretação conforme a Constituição, feita pelo Supremo) é o Congresso. Não é por outra razão que há um projeto de lei da senadora Marta Suplicy (PT-SP) prevendo que a união estável entre homossexuais seja reconhecida pelo Código Civil, com possibilidade de ser convertida em casamento.
Baguncismo
Quando um órgão criado para funcionar como controle externo do Judiciário decide assumir o papel de legislador, algo de muito ruim está em curso. E, vocês verão, desta vez, prevejo que Renan Calheiros (PMDB-AL) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), respectivamente presidentes do Senado e da Câmara, não vão reagir porque, afinal, se trata de comprar uma briga com um setor bastante influente na imprensa.
Digo de novo: não tenho nada contra o casamento, como não tinha quando o Supremo estava decidindo se, na prática, igualava ou não as uniões. Achei, e sustento ainda, aquela decisão formalmente absurda porque tomada contra a letra da Constituição. Mas, vá lá, admita-se, com alguma largueza, que outros princípios da Carta ainda consigam explicá-la. Desta feita, não! Os cartórios estão submetidos ao Poder Judiciário, sim (não ao CNJ). Mas o Poder deve cuidar das regras de funcionamento para adequá-los à lei. Não mais do que isso. Também desse ponto de vista, trata-se de uma exorbitância.
Ainda que todos sejamos favoráveis a que todos tenham todos os direitos que todos querem (não cabe mais um “todos” na frase), isso deve ser feito segundo as regras, segundo as leis. Nesse caso, sim — e não no da liminar que suspendeu um projeto inconstitucional —, o Congresso está tendo solapada uma prerrogativa: a de legislar (ou a de decidir sobre proposta legislativa encaminhada pelo Executivo).
A decisão é inconstitucional. Se alguém recorrer ao Supremo com uma Reclamação ou uma Ação Direita de Inconstitucionalidade, duvido que não seja bem-sucedido. Se não for, pior para o país, que estará metido no baguncismo. Tendo a achar, diga-se, que uma proposta como a de Marta Suplicy tem tudo para ser aprovada. Se for, não vou achar ruim — embora compreenda as opiniões contrárias e concorde que casamento não é um direito natural, mas um pacto social, e a sociedade tem o direito de opinar, sim. Mas sou favorável. Ponto. O que não dá para endossar é que o CNJ, que não foi eleito pelo povo para legislar, resolva avançar sobre uma competência do Congresso.
Até porque, reitero, O UNIVERSO DAS COISAS NÃO INCONSTITUCIONAIS é infinito. E nem por isso todas as coisas não proibidas estão regulamentadas em lei. Imaginem, agora, se o CNJ resolver se entregar ao desfrute de preencher essas lacunas…
Má-fé, ingenuidade ou ignorância?
Aqui e ali, já se destaca que a bancada evangélica protestou, é contra etc. e tal. Bem, o leitor tem de se precaver da má-fé, da ingenuidade ou da ignorância. Em primeiro lugar, os evangélicos têm o direito de ser contra. Em segundo lugar, não se devem usar eventuais restrições de natureza religiosa para esconder a escandalosa inconstitucionalidade da decisão, e essa questão é muito mais importante do que a primeira porque diz respeito à forma como o país lida com as leis e com as instituições.
Ao longo do tempo, as opiniões, os valores, as escolhas podem ir mudando. Certamente há hoje mais gente favorável no Brasil ao casamento gay do que há 10 ou 20 anos. Até porque o lobby é forte e poderoso. O que é muito ruim — para gays, héteros, brancos, pretos, altos, baixos, anões, míopes, belos, feios, remediados, pobres, ricos, amantes de comida japonesa e gente que odeia comida japonesa — é que se mandem as leis, a Constituição e as instituições às favas, ainda que sob o pretexto de fazer justiça e proteger as minorias.
Texto publicado originalmente às 22h29 desta terça
Por Reinaldo Azevedo

terça-feira, 14 de maio de 2013

O Brasil precisa de mais Lobão, o roqueiro, e de menos Chico Buarque, o propagandista do regime

Não li o livro do cantor e compositor Lobão. Chama-se “Manifesto do Nada na Terra do Nunca”. Talvez não o lesse em outras circunstâncias. E não vai aqui juízo de valor nenhum. É que já cheguei à fase das releituras. “Arrogante! Reinaldo quer dizer que leu tudo ou que leu o bastante e que já está na segunda rodada…” Errado! Essa ambição, eu tinha aos 20 anos… Aos 51, a gente descobre a absoluta incapacidade não de ler tudo o que há (isso, desde sempre, esteve fora do horizonte); a gente descobre que não terá vida o bastante para ler tudo o que quer. A menos que se seja, como Rousseau, na definição de Fernando Pessoa, um “suíço, castelão e vagabundo”, que entrega os filhos para a assistência pública. Assim, é raro, sim, que eu leia coisa nova. Prefiro voltar às  que me escaparam nos livros que já conheço. Só por isso, então, talvez eu deixasse Lobão de lado. AGORA EU VOU LER. Chegam-me links de críticas de tal sorte cretinas a seu livro, com tal dose de violência, de preconceito, de burrice, de vigarice, de fascismo mesmo, que vou ler, sim! Não sei o que ele diz lá. Talvez eu discorde de um monte de coisa. É provável que sim! O que eu sei é que alguns patrulheiros — muitos deles compõem a súcia de vagabundos e preguiçosos sustentada por estatais — resolveram deixar o livro de lado para atacar o autor.
“Ah, mas também, onde já se viu falar aquilo de Chico Buarque?…” Pois é. Eu defendo que as pessoas façam uma livre apreciação até sobre Jesus Cristo. O Chico Jabuti estaria um degrau acima do Salvador? Eu sei a patrulha de que fui alvo quando afirmei que Niemeyer era metade gênio (o arquiteto) e metade idiota (o comunista de butique). E olhem que alguns amigos meus protestaram. Há quem considere o arquiteto ainda pior do que o “pensador” porque preso a uma visão stalinista do homem, da cultura e da arquitetura. Parecia que eu tinha roubado o pirulito da boca de uma criança pobre… Assim, vou ler o livro de Lobão. Agora eu considero que isso é um ato de resistência aos fascistas do estatismo.
Hoje, no Globo, o economista Rodrigo Constantino, que também não tem medo de comprar briga, escreve um artigo intitulado “Mais Lobão e menos Chico Buarque”. Assino embaixo. Segue a íntegra. Não se trata de uma apreciação estética, de uma valoração da obra de cada um — porque aí se mergulha nas dissensões de gosto. Esse é outro debate. Trata-se de reconhecer que o Brasil contemporâneo é carente de vozes que contestem o poder e o establishment. Já há artistas demais na fila para tocar instrumentos de sopro para o governo. Falta quem toque guitarra, violino, violoncelo… Segue o artigo de Constantino.
*
A bundamolice comportamental, a flacidez filosófica e a mediocridade nacionalista se espraiam hegemônicas. Todo mundo aqui almeja ser funcionário público, militante de partido, intelectual subvencionado pelo governo ou celebridade de televisão, amigo. É o músico Lobão com livro novo na área. Trata-se de Manifesto do Nada na Terra do Nunca, e sua metralhadora giratória não poupa quase ninguém.
Polêmico, sim. Irreverente, sem dúvida. Mas necessário. As críticas de Lobão merecem ser debatidas com atenção e, de preferência, isenção. O próprio cantor sabia que a patrulha de esquerda viria com tudo. Não deu outra: fizeram o que sabem fazer, que é desqualificar o mensageiro com ataques pessoais chulos, com rótulos como reacionário ou roqueiro decadente. Fogem do debate.
Lobão tem coragem de remar contra a maré vermelha, ao contrário da esquerda caviar, a turma radical chic descrita por Tom Wolfe, que vive em coberturas caríssimas, enxerga-se como moralmente superior, e defende o que há de pior na humanidade. No tempo de Wolfe eram os criminosos racistas dos Panteras Negras os alvos de elogios; hoje são os invasores do MST, os corruptos do PT ou ditadores sanguinários comunistas.
O roqueiro rejeita essa típica visão brasileira de vitimização das minorias, de culpar o sistema por crimes individuais, de olhar para o governo como um messias salvador para todos os males. A ideia romântica do Bom Selvagem de Rousseau, tão encantadora para uma elite culpada, é totalmente rechaçada por Lobão.
Compare isso às letras de Chico Buarque, ícone dessa esquerda festiva, sempre enaltecendo os humildes: o pivete, a prostituta, os sem-terra. A retórica sensacionalista, a preocupação com a imagem perante o grande público, a sensação de pertencer ao seleto grupo da Beautiful People são mais importantes, para essas pessoas, do que os resultados concretos de suas ideias.
Vide Cuba. Como alguém ainda pode elogiar a mais longa e assassina ditadura do continente, que espalhou apenas miséria, sangue e escravidão pela ilha caribenha? Lobão, sem medo de ofender os intelectuais influentes, coloca os pingos nos is e chama Che Guevara pelos nomes adequados: facínora, racista, homofóbico e psicopata. Quem pode negar? Ninguém. Por isso preferem desqualificar quem diz a verdade.
Lobão, que já foi cabo eleitoral do PT, não esconde seu passado negro, não opta pelo silêncio constrangedor após o mensalão e tantos outros escândalos. Prefere assumir sua imbecilidade, como ele mesmo diz, e mudar. A fraude que é o PT, outrora visto como bastião da ética por muitos ingênuos, já ficou evidente demais para ser ignorada ou negada. Compare essa postura com a cumplicidade dos intelectuais e artistas, cuja indignação sempre foi bastante seletiva.
Outra área sensível ao autor é a Lei Rouanet, totalmente deturpada. Se a intenção era ajudar gente no começo da carreira, hoje ela se transformou em bolsa artista para músicos já famosos e estabelecidos, muitos engajados na política. Lobão relata que recusou um projeto aprovado para uma turnê sua, pois ele já é conhecido e não precisava da ajuda do governo. Compare isso aos ícones da MPB que recebem polpudas verbas estatais, ou que colocam parentes em ministérios, em uma nefasta simbiose prejudicial à independência artística.
O nacionalismo, o ufanismo boboca, que une gente da direita e da esquerda no Brasil, também é duramente condenado pelo escritor. Quem pode esquecer a patética passeata contra a guitarra elétrica que os dinossauros da MPB realizaram no passado? Complexo de vira-latas, que baba de inveja do império estadunidense. Dessa patologia antiamericana, tão comum na classe artística nacional, Lobão não sofre. O rock, tal como o conhecimento, é universal. Multiculturalismo é coisa de segregacionista arrogante.
No país do carnaval, futebol e novelas, onde reina a paralisia cerebral, a mesmice, o conformismo com a mediocridade, a voz rebelde de Lobão é uma rajada de ar fresco que respiramos na asfixia do politicamente correto, sob a patrulha de esquerdistas que idolatram Chico Buarque e companhia não só pela música.
Em um país de sonâmbulos, anestesiados com uma prosperidade ilusória e insustentável; em um país repleto de gente em busca de esmolas e privilégios estatais; em um país sem oposição, onde até mesmo Guilherme Afif Domingos, que já foi ícone da alternativa liberal, rendeu-se aos encantos do poder; o protesto de Lobão é mais do que bem-vindo: ele é necessário. Precisamos de mais Lobão, e menos Chico Buarque.

Por Reinaldo Azevedo

segunda-feira, 13 de maio de 2013

AntenA CristÃ: Calados pela diversidade

AntenA CristÃ: Calados pela diversidade: Além do sufoco infantil, o sufoco da opinião. O respeito à diversidade é alçado, então, ao estatuto de lei universal, inviolável. Como d...

domingo, 12 de maio de 2013

FELIZ DIA DAS MÃES!

Parabéns a todas as mães que entendem de verdade o que é ser mãe; noites mau dormidas, tarefas intermináveis para serem cumpridas; observação atenta contra os perigos que rondam o seu lar e um sentimento profundo de amor que só é superado pelo amor divino.

Parabéns pelo seu dia.

Autor: Tom Alvim

Paz no Brasil ?!

Estou ficando fã do Lobão...rs Uma voz dissonante no meio artístico, que em sua maioria é totalmente voltado para a esquerda filosófica, comportamental, etc...Fala Lobão! Eles não gostam de ouvir a verdade:

AntenA CristÃ: Paz no Brasil ?!: O brasileiro é sempre um bonzinho. Somos o povo mais sorridente do planeta, esse eterno país da micareta,  apesar dos 50 mil assassinato...

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Chuva de dinheiro para os ativistas gays de São Paulo

Julio Severo: Chuva de dinheiro para os ativistas gays de São Pa...: Chuva de dinheiro para os ativistas gays de São Paulo Julio Severo A Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, a ser realizada em 2 de jun...

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Vergonha: Brasil vai contratar 6 mil agentes cubanos

Julio Severo: Vergonha: Brasil vai contratar 6 mil agentes cubanos: Vergonha: Brasil vai contratar 6 mil agentes cubanos para pregar para brasileiros pobres Julio Severo Nesta semana, a grande mídia de...

quarta-feira, 8 de maio de 2013

FAMÍLIAS QUE FAZEM PROEZAS


"Nas tendas dos justos há voz de júbilo e de salvação; a destra do Senhor faz proezas.(Sl. 118: 15)

A Palavra de Deus é inerrante. Ela nos diz que faremos proezas ao lado do Senhor Nosso Deus, e essa afirmação é tão linda que nos faz querer experimentar logo esse resultado. Contudo, uma coisa é inegável, não adianta pensar que um versículo Bíblico está dissociado de todo o restante das escrituras, existe uma dependência enorme da parte para o todo. Então ao ler-mos qualquer texto teremos que fazer conexões com outros que também estão contidos na Bíblia.

Nossas famílias farão proezas, se:

- Não formos preguiçosos;
"Vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos, e sê sábio; (Prov. 6: 6)

- Não for para nos engrandecer;
"Pois o Senhor dos exércitos tem um dia contra todo soberbo e altivo, e contra todo o que se exalta, para que seja abatido." (Isaías. 2: 12)

- Não for para o nosso próprio deleite (no sentido egoísta);
"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. (Tiago. 4: 3)

- Crermos realmente em Deus,
"Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam." (Hebreus. 11: 6)

É claro que a lista acima poderia ser imensa, mas a intenção é mostrar que a Bíblia é uma unidade e que versículos Bíblicos usados como auto-ajuda ou fórmulas mágicas, na verdade atrapalhão aqueles que estão começando a caminhada com Cristo. Sei que aos poucos muitos logo entenderão que não existe um "mantra" evangélico para suas vidas, e nem tampouco uma reza especial que os levará a conquistar coisas, mas sim uma vida plena vivida com naturalidade aos pés da cruz, canal natural para a conquista daquilo que verdadeiramente vale à pena.

Uma família que busca ao Senhor, dará glórias ao Altíssimo por tudo, principalmente pela salvação de seus familiares, e ao lado de honra do Pai fará coisas surpreendentes, em todo o tempo.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Stock.xchng

sexta-feira, 3 de maio de 2013

MEU PRIMEIRO RIFLE. DÁ PARA ACREDITAR?



Os Estados Unidos, já acostumados com estas tragédias, cauterizados, assistem a mais uma: uma linda menina, de apenas dois aninhos, é assassinada pelo próprio irmão, de cinco anos, com um rifle presenteado pelos pais; e o que mais causa estranheza é a reação dos familiares, tios, avós: Foi um acidente! Deus quis assim! Chegou a hora dela e Deus a chamou!

Realmente, conhecimento bíblico não é sinônimo de sabedoria espiritual, discernimento; bem como de virtude, prática cristã. Da mesma maneira a cultura de um povo cristão, de uma nação cristã, formada através dos séculos, nada tem a ver com padrões de ética cristã, assimilação de uma cultura bíblica.

Diante de tudo isso, fico a pensar na Palavra de Deus que diz aos pais: "Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te. Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por frontais entre os teus olhos; e as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas" (Dt 6.4-9). Parece que Deus não planejou que os pais dessem um rifle aos seus filhos. Graças a Deus a mãe de Timóteo não deu um rifle a ele quando menino: “trazendo à memória a fé não fingida que há em ti, a qual habitou primeiro em tua avó Loide, e em tua mãe Eunice e estou certo de que também habita em ti”; “Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que desde a infância sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela que há em Cristo Jesus” (II Tm 1.5; 3.14-15)

Que tal trocar "meu primeiro rifle" por "minha primeira Bíblia?"

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Lobão descasca Mano Brown, Dilma, o PT e mais um pouco. E acontece o óbvio: vira alvo da Al Qaeda eletrônica nas redes sociais

Vejam esta imagem com este texto, extraídos da Folha de S. Paulo. Volto em seguida.
 
A fala é do cantor e compositor Lobão, referindo-se a Mano Brown e aos tais Racionais MCs em entrevista concedida à Folha. Ele descascou, como se vê, aquela mistura de Kant, Schopenhauer e Robin Hood putativo dos segundos cadernos dos jornais paulistanos. É bem verdade que Brown, este coroa que se nega a envelhecer, torna, finalmente, a luta de classes compreensível para a imprensa militante de Higienópolis, Vila Nova Conceição. Vila Madalena e Alto de Pinheiros. Daí ser tão apreciado.
Estive com Lobão uma única vez. Ele me convidou para um programa de debates na TV de que era mediador. Não é meu amigo. Discordamos, quero crer, sobre uma penca de coisas. Mas eu já escrevi aqui que admiro a sua coragem. Sei conviver com a divergência. Aprecio, no fim das contas, quem rejeita o pensamento de manada, que fala em seu próprio nome, não no de uma suposta coletividade de “homem bons”.
Lobão falou sobre muitos outros assuntos: criticou Dilma e a comissão da verdade, apontou as imposturas dos petistas, afirmou, no que está correto, que há ditaduras avançando América Latina afora… Mas não deu outra! Está apanhando mesmo nas redes sociais por conta do que afirmou sobre Mano Brown e os Racionais. Há outro trecho a respeito. Leiam:
“Os Racionais são o braço armado do governo, são os anseios dos intelectuais petistas, propaganda de um comportamento seminal do PT. Não acredito em cara ressentido. Emicida, Criolo, todos têm essa postura, neguinho não olha, não te cumprimenta. Vai criar uma cizânia que nunca teve, ódios [raciais] estão sendo recrudescidos por razões históricas que nunca aconteceram aqui. Estão importando Black Panthers, Ku Klux Klan. Tem essa coisa de “branquinho, perdeu, vamos tomar seu lugar”. Como permitem esse discurso?”
Retomo
Já escrevi aqui vários posts sobre as boçalidades habitualmente ditas pelo líder dos Racionais MCs. A cada vez que toco no nome desse sujeito, lá vem uma penca de ofensas e, sim!, de ameaças mesmo. Ele, claro!, não pode ser responsabilizado por isso, mas sabe muito bem os sentimentos que mobiliza, uma vez que a sua fala, com alguma frequência, justifica atos criminosos.
Em setembro de 2007, escrevi o texto mais duro. Ele concedera, então, uma entrevista ao programa “Roda Viva”, da TV Cultura. Diante de um grupo de jornalistas, disse barbaridades que Marcola, o líder do PCC, não teria coragem de dizer. E não é que se tenha feito apenas um silêncio cúmplice. Ao contrário: a reação de boa parte dos que o ouviam, especialmente de Maria Rita Kehl, psicanalista que está na Comissão da Verdade (!?), era de admiração, glorificação, gáudio. Foi um momento asqueroso.
Reproduzo, em vermelho, uma sequência daquele programa. Prestem atenção:
O grande momento do programa veio na seqüência. Numa pergunta oportuna, Paulo Lima quis saber: “E o que está acontecendo em Brasília? É um negócio em que você presta atenção, essa movimentação toda, esses escândalos de corrupção, você se liga nisso, acompanha de perto?
Brown – Não de perto, mas acompanho.
Lima – O que você está achando, por exemplo, da forma como o presidente Lula tem se posicionado diante dessas confusões envolvendo o PT, dessa denúncias de corrupção envolvendo o PT, dessas denuncias de corrupção e tal? Eu vi uma entrevista sua aqui dizendo que, talvez, o Lula estivesse melhor fora daquela cadeira de presidente, que, na sua opinião, é a cadeia mais solitária do país. Queria que você falasse um pouquinho do Lula especificamente.
Brown - É, eu gosto do Lula, sou eleitor do Lula, apóio o Lula, falo bem do Lula em qualquer lugar e não espero benefício por isso. Não conto com benefício do Lula ou que venha do PT. Se vier, firmeza, mas eu não espero por isso. Eu acho que o Lula é um cara que veio de baixo, certo? ELE SABE QUE DAR A CABEÇA DOS AMIGOS DELE PARA OS INIMIGOS, ELE NÃO VAI DAR. ELE VAI ESPERAR A JUSTIÇA SE FAZER POR CONTA PRÓPRIA. ELE ESTÁ SE POSICIONANDO CERTO. ACHO QUE NÃO É DA ÍNDOLE DELE ENTREGAR UM AMIGO DELE QUE DEU MANCADA, ENTENDEU? Ele não faria isso. Ele sabe o que é que é isso. Ele não faria isso. Agora, ele vai deixar descobrir. Se descobrir, é pau no gato, é lamentável.
Na seqüência, o petista Paulo Lins tomou a palavra para lembrar que a corrupção está em todos os Poderes – não só no Executivo, claro, claro – e em todos os lugares, inclusive entre empresários, jogadores de futebol. E Lins queria saber (na verdade, já respondia) se é muito difícil falar a uma criança pobre que ela tem de ser honesta.
Brown – Eu chego a dizer que eu nem considero ele [o ladrão] desonesto. Diante da realidade e das armas que eles têm pra lutar, das armas que eles aprenderam como meio de sobrevivência, eles são honestos. EU TENHO CERTEZA DE QUE, COM OS PARCEIROS DELES, ELES SÃO HONESTOS; COM A FAMÍLIA DELES, ELES SÃO HONESTOS; COM OS MANO QUE TÁ PRESO, ELES SÃO HONESTOS, TÁ LIGADO? Eles são honestos com quem é honesto com eles. QUANDO VOCÊ FALA QUE UM ASSALTANTE DE BANCO É DESONESTO, VOCÊ TEM DE OLHAR PARA A SOCIEDADE… SE A NOSSA SOCIEDADE É HONESTA. EU COSTUMO FALAR PARA OS MANO, QUANDO A GENTE TÁ CONVERSANDO, QUE A NOSSA SOCIEDADE É CRIMINOSA, É OMISSA; ELA É CEGA QUANDO QUER, SURDA QUANDO QUER. Omissão é crime. Na categoria de criminosos, tá todo mundo na mesma, é igual.
Voltei
Comecemos pelo fim. Entenderam? Para Brown, o que importa é que os bandidos sejam “honestos” com os próprios bandidos e com as respectivas famílias. Todo o resto seria permitido já que, segundo o nosso pensador, a sociedade também não é lá grande coisa. Alguém duvida de que o assassino de Victor Hugo Deppman e da dentista Cinthya se enquadram no modelo de Brown? Sobre Lula, a resposta vai acima. Uma das virtudes que ele vê no companheiro é a cumplicidade com os amigos, não é? Brown faz parecer que o governo é um ajuntamento de pessoas que têm de ser fiéis à gangue. Não deixa de fazer sentido.
Lobão está sendo, é claro, demonizado, satanizado, espicaçado na rede. Mas ele conhece bem esse meio e certamente sabia o que o espera. Encerro com outro trecho de sua entrevista:
“Esses que estão no poder, Dilma, Emir Sader, Franklin Martins, Genoíno, estavam na luta armada. Todos esses guerrilheiros estão no poder. Porra, alguma coisa está acontecendo! Em 1991, só tinha um país socialista na América Latina, hoje são 18. São neoditaduras pífias. A Argentina é uma caricatura, o Evo Morales, o Maduro. Vão deixar o comunismo entrar aqui? É a mesma coisa que botar o nazismo. A América do Sul está se tornando uma Cortina de Ferro tropical. Existe uma censura poderosíssima perpetrada por uma militância de toupeiras. Quem está dando golpe na democracia são eles, o PT está há dez anos no governo.
Quando um cantor e compositor enxerga a evidência que os intelectuais do complexo Pucusp se negam a ver, algo está muito errado no… Complexo Pucusp e no país. Não que um roqueiro esteja impedido de ter essa visão da realidade e de fazer avaliações sensatas. Mas convenham: um artista, em essência, é pago para divertir e para se divertir. Eu ainda acredito que a função primeira da arte é a fruição. Como mais elaboração em alguns casos, com menos em outros, acho que é a gratuidade do belo (ainda que do “belo horrível”) o diferencial da dimensão estética. O que quero dizer é que Lobão pode, mas não é obrigado, a pensar. A zerda no Brasil é que os intelectuais, estes sim, estão obrigados a pensar, mas, no momento, não podem porque se tornaram meros esbirros do poder

Por Reinaldo Azevedo