sábado, 9 de novembro de 2013

PRETO NO BRANCO


Vamos lá, como já sabia, esse assunto não é pontual e nem tampouco uma excessão à regra, mas sim uma prática sistemática que teve início no Brasil com a ascensão do atual governo ao Poder e posteriormente com a criação do Ministério da "Igualdade Racial", que de igualdade não tem nada, começando pela escolha dos ministros que nunca são "brancos". Se esse ministério fosse realmente para ser justo teríamos representantes de todas as etnias brasileiras e isso seria uma enorme confusão, pois temos uma variedade enorme de etnias. Mas, sem entrar por esse caminho gostaria de me ater na verdade ao assunto que tomou conta dos blogues de notícias durante essa semana. Estou falando das cotas raciais para negros. 

Tudo começou com as cotas raciais para acesso nas universidades públicas, que como já se sabe sou totalmente contra, pois isso fere o princípio constitucional da isonomia, mesmo tendo o Supremo dito o contrário, acato a decisão mas não concordo com ela. 

Agora ronda em nosso arraial a segunda fase da segregação racial ao contrário que é a proposta para cotas raciais na política e finalmente um projeto de lei encaminhado pela presidenta, ops! quase cai no erro grosseiro de português imposto por algum ser super inteligente ao escrever presidenta...rs

Esse PL segue em regime de urgência e deverá ser votado e aprovado em poucos dias.

Como já repeti inúmeras vezes, esse pessoal que gosta de dizer que no Brasil temos um racismo camuflado, etc, não desiste nunca, porque eles são brasileiros e irão continuar tentando nos dividir em raças desfazendo o que foi construído em mais de quinhentos anos para implantarem um apartheid tupiniquim, aonde nascer "branco" e pobre será a maior desgraça que alguém poderá sofrer.

Reinaldo Azevedo em seu blog da Veja disse: "O futuro servidor não entrará no serviço público para ganhar uma nova competência (como a oferecida pela universidade) que o mercado de trabalho lhe vai cobrar mais adiante. Não! Do estado brasileiro, espera-se apenas que cumpra o seu dever e selecione os mais aptos — em benefício, diga-se, de brancos, mestiços e negros."  

Veremos, infelizmente o dia, neste país aonde a cor de sua pele definirá se alguém terá mais direitos do que outros e pior ainda será o dia em que suas opiniões definirão seu futuro, aonde aquele que não tiver seu pensamento doutrinado pelo marxismo ficará fora das oportunidades de acesso as melhores universidades brasileiras. O texto escrito por Paulo Briguet no site Mídia Sem Máscara define claramente essa verdade, em seu artigo Perdeu, Playboy.

Já escrevi bastante sobre esse tema, aonde demonstro que existe em curso no Brasil uma tentativa velada de dividir os brasileiros em grupos raciais, assim como destruir a unidade que temos, para dessa forma poderem conquistar seus objetivos de manutenção do Poder pelo Poder.

Você é afrodescendente? É 100% negro? Então prove! 

Não existe no Brasil ninguém 100% nada, somos um povo mestiço que vinha muito bem até anos atrás quando alguns racistas às avessas começaram a implantar isso na mente daqueles que não pensam e aceitam tudo pronto.

100% brasileiros ou nada.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Rede Fonte



0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários de cunho ofensivo, racistas, desprovido de coerência ou outros semelhantes a estes. Obrigado por seu interesse e volte sempre a este blog. Seu comentário é muito importante.