quarta-feira, 16 de maio de 2012

Eu sei o que você está sentido!



Quantas vezes na vida já ouvimos ou já proferimos essa frase? "Eu sei o que você está sentido!" Creio que no meu caso, algumas poucas vezes, mas o suficiente para entender o seu sentido. Essa é uma frase que poderá trazer para quem a ouve conforto, consolo ou até mesmo uma sensação de segurança, pois quando alguém se propõe a dizer isto é porque sabe o que estamos sentido ou apenas usou esta frase formalmente e sem ter noção do seu alcance e possibilidades. 

Por que estou dizendo isso? Porque outro dia em uma de suas pregações dominicais o pastor da igreja em que congrego disse algo que me marcou muito. Ele disse que as pessoas somente acreditarão que a amamos se demonstrarmos que nos importamos com elas, tanto na igreja como em nossas famílias. 

Pode parecer algo simplista para alguns, mas para mim foi como se tivesse sido apertado um interruptor de uma luminária que trouxe a minha mente esta verdade. Talvez até mesmo um princípio. Se apenas somos teóricos da fé e da vida, não tocaremos profunda e verdadeiramente a ninguém, quiça a nós mesmos. 

A relação confiança x segurança é estabelecida a partir deste contexto e não apenas de palavras soltas e vazias. Em nossos lares, por exemplo, podemos falar a todo o momento que amamos os nossos filhos e/ou cônjuges - e eu faço isso centenas de vezes durante o dia - mas se não demonstrarmos de forma prática seremos apenas mais um a ter lindas palavras frias e sem sentido sendo jogadas ao vento para longe de todos, e pior, distanciando a muitos de nosso convívio. 

O amor precisa em algum momento materializar-se e tocar fundo nos corações daquele que é o alvo de nossas atenções. E o amor é inquieto, ele deseja mostrar-se, ou toma o seu lugar uma usurpadora que nem chega aos seus pés - A falsidade. Teórica, fria e distante.

Na congregação dos justos não é diferente, senão prestamos atenção as necessidades daqueles que carinhosamente chamamos de irmãos, seremos impolutos cidadãos que falam, mas nada acrescentam. Que são ótimos na teoria, mas que nunca exerceram na prática o amor ao próximo. Que nunca olhou para o lado e entendeu que era a hora de abrir a carteira e ajudar ao irmão, ou que nunca se mobilizou para ajudá-lo de verdade de alguma forma.

Quantos de nós vivemos um evangelho fictício que nunca extrapola a mera letra. Que poucas vezes foi além e deixou de ser um artista para ser alguém real, que vive, chora, sorrir, canta, caminha, ajuda a alguém de verdade, na verdade e pela verdade.

Assim deve ser em casa, como nossa família - Quando levantamos milhões de vezes à noite para ver se nossos pequenos estão cobertos ou quando esquecemos de nosso bem estar próprio para que eles estejam confortáveis e protegidos. Da mesmo forma deve acontecer na igreja, quando por amor deixamos de beber aquele vinho, que algum irmão demoniza, em um jantar entre amigos ou quando esquecemos de nós mesmos e doamos aquilo que nos fará falta, mas que é mais importante para o outro.

Na comunidade não é diferente, por isso a igreja primitiva chamava tanto a atenção daqueles que a observavam. Cristo estava presente em seu meio, permeando os corações que estavam desapegados das coisas e tinham a visão real do que era mais importante para todos. Este mesmo Cristo, como sempre, foi o exemplo maior de desapego, amor, e doação. Deixou seu trono no céu para viver no meio de pecadores, amou-nos demonstrando não apenas com palavras, mas com atitude ao deixar-se crucificar por todos nós, e finalmente doou-se por completo sem reservas e sem meio termos.

Amou-nos por completo para que um dia em meio aos sofrimentos humanos, que em algum momento iremos passar, possa ser aquele que irá nos confortar e nos dar a segurança total ao dizer em nossos corações: "- Eu sei o que você está sentido!" Já senti isso lá na cruz. 

Não há palavras mais preciosas do que aquelas que seguem atrás das atitudes. Elas tornam-se poderosas e fazem com que sigamos em frente até a morte, por acreditarmos naquele que as proferiu. Cristo Jesus o nosso exemplo maior.


Autor: Tom Alvim
Imagem: Stock.xchng

8 comentários:

  1. Tom! Tudo bem? Teu texto me lembrou aquela parábola de Jesus em que o pai pede a dois filhos para fazerem algo. O primeiro diz que vai fazer e não faz. O segundo diz que não vai fazer, mas depois se arrepende e faz. Qual destes realmente ama o pai? Teu texto é a resposta à essa pergunta.

    Abraços sempre afetuosos.

    Fábio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Fábio,
      esta parábola é muito importante mesmo. Nos faz refletir sobre as nossas motivações e o quanto estamos ligados de verdade na videira. Dessa forma daremos frutos que serão visíveis através de nossas ações. Thiago que o diga, mas não vou entrar nesta questão das obras, ela por si só dá um longo artigo.
      Em Cristo,
      Tom.

      Excluir
  2. Tom, um texto maravilhoso, nos faz refletir, realmente é como vc mesmo disse no texto...há pessoas vivendo um evangelho fictício.
    Hoje a expectativa do "crente" é superficial, sem atitudes.
    Por outro lado, Jesus nos amou e nos ama sem reservas e demonstra seu infinito amor e misericórdia.
    Sei que o Senhor Deus sabe o que estou sentindo, mas, sei também que podemos contar com irmãos verdadeiros.
    Tom um grande abraço.
    Deus te abençoe.
    Sidney Amaral

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Sidney. Que bom tê-lo por aqui! Creio que o modelo das pessoas sem Cristo tem influenciado o nosso meio e desta forma temos nos tornado insencíveis ao sofrimento alheio.Pelo menos aonde podemos ajudar deve ser nosso objetivo e desta forma iremos demonstrar que Cristo vive em nós para abençoar essa geração atual.
      Abraços e venha nos visitar mais vezes, o senhor é muito bem-vindo.

      Excluir
  3. Meu marido sempre usa desta parábola que o Fabio contou acima, ele usa para com minhas filhas.
    Seu texto é ótimo Tom. "Nós amamos porque ele nos amou primeiro"
    Assim como ele tomou a iniciativa em nos amar, assim devemos agir em relação aos nossos semelhantes. Não devemos amar somente de palavras, mas provar nos doando ao próximo. Paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rô! Realmente esta parábola é fantástica, ela nos faz pensar também em nossas verdadeiras intenções quando aceitamos certos desafios na área espiritual de nossas vidas. Algumas vezes não passam de "fogo de palha". Prefiro pensar bastante sobre certos temas e só depois decidir. Obrigado por sua visita por essas bandas...rs Um grande abraço e que Deus continue a abençoá-la sempre.
      Em Cristo,

      Excluir
  4. Tom eu te amo e sei que você me ama e não só em palavras, mas porque você tem demonstrado isso com gestos para comigo e minha família.
    Seria muito bom que nossas igrejas voltassem ao tempo da igreja primitiva tudo era de todos, nada era meu, era nosso. Falta em nós compaixão chega de pena, precisamos nos colocar no lugar de quem está sofrendo ai sim nós poderemos falar "eu sei o que você está sentindo"
    Beijos meu irmão. Denise França

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Denise, a igreja atual está muito fora do padrão que deveria estar. Padrão aferido em Cristo. O evangelho de hoje, na maioria das igreja, é o evangelho do "umbigo". Cada um olhando para o seu e pedindo bens materiais para Deus, e se ele não der, estão com algum pecado...é uma coisa esquizofrênica, egoísta e triste. Ainda bem que os santos sinceros também existem e são a causa de que este mundo ainda não tenha sido destruído...como dizem alguns blogueiros por ai...sigamos salgando...rs

      Excluir

Não serão aceitos comentários de cunho ofensivo, racistas, desprovido de coerência ou outros semelhantes a estes. Obrigado por seu interesse e volte sempre a este blog. Seu comentário é muito importante.