QUANDO AS SOMBRAS SILENCIAM

Ficção espiritual que conta a estória de um casal de missionários, em meio a muita ação e aventura.

HOMENS QUE LUTAM

Nova série de artigos sobre atitudes que tornam os homens mais do que vencedores.

FAMÍLIA - O PAPEL DO HOMEM.

"Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, (Efésios. 5: 25)"

FAMÍLIA - O PAPEL DA MULHER.

"Toda mulher sábia edifica a sua casa; mas a tola a derruba com as próprias mãos. (Provérbios. 14:1)"

POEMAS - Para adoçar a vida!

Poemas que nascem no coração, cresce em nossa mente e alçam vôo em nossa imaginação.

Blog Impressões Sem Pressões

"Em meio a valores distorcidos em nossa sociedade, temos JESUS CRISTO como referencial perfeito!" (Tom Alvim).

quarta-feira, 31 de março de 2010

Falar e ouvir


   Falar, falar e falar. Em alguns casos somente o ouvir, ouvir e ouvir.

   Mas, no fim da contas não saímos dessa inércia repugnante e nos tornamos cada vez mais insensíveis e hipócritas, ouvindo ou falando nos tornamos uma classe de demagogos que nunca agem e por isso nunca realizam.
    
   Devemos algum dia, ou em algum momento, nos esquecermos de tudo aquilo que nos impede de agir e a partir daí, dar o grito da nossa independência estrutural e filosófica e não mais falar ou ouvir tão somente, mas sim AGIR e REALIZAR.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Stock.xchng

terça-feira, 30 de março de 2010

Quanto vale o sofrimento alheio?

Durante toda esta semana que passou fomos expostos de forma intensa e exagerada a informações minuciosas, talvez até de mais, sobre o caso da menina Isabella, assassinada brutalmente por mentes doentes e perversas. 

O que chamou-me a atenção não foi o caso em si, pois casos como estes acontecem com mais frequência talvez do que possamos acreditar em nosso imenso país, mas sim o fato da mídia brasileira ter-se debruçado sobre ele com tamanha sede e esganação. Eu já não aguentava mais ligar a televisão para tentar assistir a algum telejornal, pois praticamente todos eles dedicaram um tempo imenso sobre este caso. Novamente volto a repetir, este caso deveria ter sido mostrado pela mídia, mas sem o exagero que foi. Sem a exploração que foi feita dele.

Lembro-me de quando o Papa João Paulo II faleceu, era praticamente impossível assistir televisão, pois minutos intermináveis foram usados para se falar deste acontecimento.
A minha indagação é: Por que são dedicados minutos e até mesmo horas sobre determinados assuntos? Os casos e acasos surgem, mas alguns solavancam a tal da famigerada audiência. Essa é aquela que controla o tempo de exposição de determinados assuntos na TV, a audiência. Hoje em dia a mídia descobriu diversos filões, diversos nichos que antes eram insignificantes, mas que na atualidade movimentam milhões.

Quando a uns quinze anos atrás seria veiculado em horário nobre de TV brasileira propagandas sobre artistas denominados gospel? Se for rentável, será veiculado qualquer coisa.

Os tempos mudaram, mas a mente que domina este mundo não mudou nada. O raciocínio dela é: Se for rentável será veiculado, mesmo que seja a exploração do sentimento alheio, mesmo que sejam piadas infames e de mau gosto contra qualquer pessoa que passe no caminho destes comediantes modernos, mesmo que seja sugar ao máximo o choro verdadeiro de alguém que sofre, mesmo que seja propagandas mentirosas que prometem aquilo que não podem cumprir.

Quanto vale o sofrimento alheio? Depende da audiência que pode dar.


Autor: Tom Alvim
Imagem: © Alexandr Denisenko | Dreamstime.com

segunda-feira, 29 de março de 2010

Vida lá fora

 
Um pequeno filete de luz do sol que ao entrar por brechas infinitamente
pequenas, traz em sua aparente fragilidade, uma mensagem que traduz a
essência da vida com enorme singeleza. Em seu âmago há algo quase
tão sufocante quanto um grito que está preste a eclodir, garganta
afora, ou tão intenso como uma esbaforida violenta de larvas de um
vulcão ativo.

    Esse filete de luz não traz nenhuma pretensão de reanimar vidas com
fórmulas mágicas e infalíveis, ele nos mostra que precisamos lutar
com coragem e humildade calcadas em Cristo.

    Esse filete de luz traz uma pequenina mensagem que se traduz em algo bem
maior do que possamos imaginar.

    Essa é a mensagem que nos indica que ainda há VIDA LÁ FORA, ainda há
esperança e que devemos nos mover de forma a alcançá-la. 
 
Autor: Tom Alvim
Imagem: Stock.xchng

sábado, 27 de março de 2010

Dormindo no ponto

"Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;" (1. Pedro. 5:8)

A frase dita por um pastor que gosto muito de ouvir através de mensagens em mp3, disponibilizada de graça na internet, fez com que eu mudasse um pouco a forma de me relacionar com a vida. Ele disse: "A vida não perdoa os distraídos", até ai pode parecer uma frase comum, sem muita importância, mas quando paramos para refletir bem sobre ela encontramos uma pérola de sabedoria, pois essa é uma grande verdade, se nós andarmos desatentos, negligentes e empurrando a vida com a barriga ela um dia irá cobrar de nós. Seja do ponto de vista profissional, emocional, familiar (tudo isso é vida, não existem várias vidas, vida profissional, vida emocional, vida espiritual.

Tudo é VIDA, o que existe são áreas em nossa vida, área emocional, área profissional, etc). Se nós dormirmos no ponto seremos atropelados pelas circunstâncias e ao acordarmos nem mesmo nos reconheceremos e é por isso que devemos estar atentos a tudo. Estamos  em um ano eleitoral, aonde será escolhido um novo presidente para o nosso Brasil, e aí vamos dormir no ponto novamente e deixar que um presidente (a) com ideologias estranhas seja eleito (a)? Vamos deixar que continuem a entregar a nossa amazônia para ONGs? Vamos deixar que alguns ex-guerrilheiros que mataram, torturaram e roubaram encontrem caminho fácil para serem eleitos e para instalarem um regime de esquerda caquética em nosso país? 

Vamos deixar que algumas chamadas "minorias", tornem-se maioria em poder de controle de nossos valores e de nossas vidas? A resposta é de cunho pessoal, mas os resultados de cunho comum, afetará a todos nós. Vamos acordar! Ou será tarde de mais, "um país se faz com homens e livros", mas eu costumo dizer, um país se faz com homens corajosos que gostam de ler o Livro dos livros, a Bíblia Sagrada.


Autor: Tom Alvim 
Imagem: Stock.xchng

sexta-feira, 26 de março de 2010

Vida


O que é a vida sem Deus senão pura ilusão, versões confusas de uma droga alucinógena dentro do coração, levando alguns a um êxtase apático, inconfundível.


Vida vivida, vida morrida, vida após a vida, não menos importante, mas em Deus tendo guarida.


Vida quando aqui vivida servindo à Deus, torna-se uma escola, para que a vida de lá...
... lá do além, tenha seu valor reconhecido aqui, por alguém.



Autor: Tom Alvim
Imagem: © Dmitry Maslov | Dreamstime.com

quinta-feira, 25 de março de 2010

Corpo Andróide

“Ele é a cabeça do corpo, da igreja”. (Colossenses. 1: 18).

Aqueles que gostam de cinema como eu (os cinéfilos de plantão), com certeza já devem ter visto um clássico do cinema chamado Robocop, aonde um policial ferido é poupado da morte após uma complicada intervenção cirúrgica. O carro chefe da estória é a reconstrução de seu corpo utilizando-se da mais alta tecnologia na época, para que fossem implantados membros mecânicos naquilo que havia restado dele. Esse policial torna-se uma mistura de homem e máquina, um andróide e no final do filme acaba entrando em crise interior por diversos motivos.
É interessante verificarmos que o homem nunca está satisfeito com quase nada. Sua inquietação é previsível e suas atitudes cronológicas. Há nesse homem, feitura de Deus, algo de bom que o leva a criar, pois esse é um traço inerente a ele. Através dessa necessidade coisas jamais imagináveis se tornaram possíveis ao ser humano, como a luz elétrica, o telefone, o automóvel e inúmeras outras invenções e descobertas. Ao meu ver, Deus nos presenteou com uma curiosidade criativa e a capacidade de pensar que é parte Dele, para que pudéssemos viver melhor, contudo existe um outro extremo mortalmente perigoso que trás a esse mesmo homem uma morte lenta e dolorosa, fazendo com que o abraço de Deus seja apenas um sonho para ele, pois o caminho percorrido o leva a se distanciar de seu Criador.
Como exemplo temos a igreja que foi unida ao Estado, ainda na época de Constantino, trazendo para o seu seio aberrações terríveis que deturpam a Bíblia para satisfazer os desejos de homens nem um pouco comprometidos com o Deus da Bíblia.
Aquela que deveria ser pura, como uma noiva virgem esperando pacientemente por seu amado, tornou-se violada por interesses humanos os mais diversos possíveis. E o mais trágico é que esse corpo, que chamo de andróide, cresceu e se tornou poderoso alimentado pelo sangue de muitos inocentes. Essa é a conseqüência da intervenção humana, onde só cabe a espiritual. Atualmente existem muitos outros andróides caminhando entre nós, uns mais capengas do que os outros, contudo caminham sobre milhares de corpos mutilados por sua frieza andrógena e metálica.
Há muitos anos atrás uma mulher tentou dar uma pequena ajuda ao Senhor dos Senhores e acabou por estabelecer uma terrível realidade, a do ódio entre irmãos que se verifica na questão Palestina. Irmãos contra irmãos se matando por causa de terras. Estou falando de Sara, esposa de Abraão que se precipitou dando sua serva Agar ao seu esposo para que através dela nascesse um filho.
              Deus havia prometido que Sara daria a luz a um filho, como aconteceu realmente, só que aparentemente isso seria praticamente impossível aos olhos humanos, pois tanto ela quanto o marido já estavam avançados de idade para este propósito.
           Deixemos Deus nos conduzir por este mundo conturbado, crendo que Ele no seu tempo fará aquilo que Ele quer fazer, e nós devemos apenas descançar Nele para que um dia cheguemos a estatura do varão perfeito que é Cristo e não seres disformes e que não são nem uma coisa, nem outra.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Google

terça-feira, 23 de março de 2010

Se nos calarmos 2

No Blog do Júlio Severo tem um vídeo elucidativo sobre esta questão, que foi gravado em um programa da MTV no dia 09 de março de 2010, isso mostra o quanto este assunto está em voga. Mas o que eu queria ressaltar na verdade foi um trecho deste vídeo aonde um defensor do homossexualismo chama o Dr. Zenóbio Fonseca de "homofóbico", ele diz o seguinte: "Estou impressionado como o coléga homofóbico ali..." Essa pessoa entrevistada o chama de homofóbico, só por que o Dr. Zenóbio discorda do comportamento homossexual, ele nunca falou contra as pessoas, os seres humanos que praticam tal ato, somente usa do seu direito de expressão para criticar dados falsos utilizados para tentar manipular a opinião pública sobre este tema. Quem quiser ver o vídeo clique nos links acima e vejam por vocês mesmos.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Tiom


Se nos calarmos...

Vou começar este texto fazendo uma dissertação pessimista do Brasil nos próximos anos no que diz respeito à liberdade de expressão e isso só acontecerá se a nossa sociedade ficar inerte "deixando a vida nos levar..."
Chegará o dia, e em alguns casos até já chegou, aonde expressar opiniões será motivo de processo e de cadeia. Opiniões sobre temas nevrálgicos atuais, como aborto, homossexualismo, eutanásia e outros mais. Tenho lido alguns textos e artigos mostrando o perigo da aprovação do 
PLC 122/2006 que tramita no Senado Federal e fiquei boquiaberto com tamanha ousadia, contudo não fiquei com medo, pois as minha opiniões eu as manterei sólidas em Cristo até a morte. 

Em Cristo, por que minhas opiniões são pautadas na Bíblia Sagrada, livro que poderá ser rotulado como homofóbico dentro em breve. O mais incrível é que o simples fato de alguém dizer que não aceita o homossexualismo hoje já é visto como homofobia, a mentira deslavada é tão grande que ninguém poderá ser contra esta prática.
 
Parece-me que mentir é a estratégia de diversos grupos que hoje estão no poder, eles mentem dizendo que homofobia é opinião contrária a prática homossexual, eles mentem e continuam mentindo,  pois uma mentira dita várias vezes acaba tomando ares de verdade. Homofobia é o medo do homossexual, e a violência física ou verbal a esses seres humanos, contudo a opinião contrária ao ato homossexual é um direito constitucional de todos nós brasileiros. O que não podemos é agredir, difamar, discriminar os que praticam tal ato, eles podem fazer o que quiserem dentro de quatro paredes, desde que não seja crime (inclusive os heterossexuais também), isso já é um direito de todos os brasileiros, contudo alguns grupos homossexuais querem amordaçar quem tenha opinião contrária as deles, querem que você diga que é a favor e que isso é algo normal, algo que não é opcional, não é uma escolha, é natural nascer homossexual. 
 
Não entrarei à fundo nesta questão, até por que é uma assunto muito importante para colocá-lo neste blog sem antes fazer uma boa pesquisa científica, jurídica e teológica, mas tenho os meus argumentos e sei que são pautados na verdade. Eu queria apenas deixar a minha opinião sobre esse tema e dizer que sou totalmente contra o homossexualismo, não contra o homossexual, a pessoa, o ser humano (Não aceito nenhum tipo de violência contra este grupo e contra nenhum outro grupo de seres humanos, sejam eles homo ou heterossexuais). A minha visão otimista fica ao olhar para a Bíblia Sagrada e saber que o que lá está escrito se cumprirá, mesmo que alguns continuem a tentar mudar o rumo natural das coisas.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Tiom

segunda-feira, 22 de março de 2010

Máscaras


Máscaras, nada além de tristes máscaras, esconderijo perfeito, anonimato adequado, como um espelho embaçado.    Embaçado pelo sorriso amarelo e forçado, ou pelas expressões de vitalidade e amabilidade.

Padrões expostos pela mídia brasileira e estrangeira totalmente aleijada e imoral que não pensam nas conseqüências catastróficas em um futuro não muito distante, pois, o que lhe importa, é o lucro e a audiência fácil.

Ouço um grito por trás de cada uma delas, pedindo por socorro,  pois sei que lá no fundo, bem lá no fundo, existe um ser preso que quer ser conhecido e aceito como ele o é, sem máscaras e sem barreiras.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Stock.xchng

domingo, 21 de março de 2010

Um osso duro de roer

“Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor”. (1Cor. 1:9)

Em uma manhã maravilhosa fui fazer aquilo que apesar de não gostar muito, sei que é algo que preciso fazer para ficar bem de saúde, fui dar uma corrida de uns 3 Km aproximadamente, e no meio dela vi um carro bem velho com o seguinte adesivo em seu vidro traseiro, “Deus é Fiel” e isso em um primeiro momento não chegou a me chamar muito a atenção, se não fosse o fato do carro já ter bem mais de seus 20 anos de uso. Daí me lembrei de outros carros bem mais novos que também possuem em seus vidros tais adesivos.
 
Então, em meio à corrida meus pensamentos viajavam velozmente e fiquei intrigado, será que os donos dos carros mais novos continuariam achando que Deus é fiel se não possuíssem nem ao menos uma bicicleta velha para andar? Ou se eles tivessem que viajar todos os dias para seus trabalhos de lotação, como chamam no Rio de Janeiro, viajar de TL (Trem lotado), será que essas pessoas continuariam crendo nisso? Ou para elas o que conta é a prosperidade inconsequente e egoísta? Essa dicotomia veicular me levou a comparar mentalmente quem seriam essas pessoas, o dono do carro velho e do carro novo. 
 
Não estou falando de absolutos, por saber que muitos homens e mulheres bem de vida entendem exatamente o que significa a fidelidade de Deus e que muitos que vivem com parcos recursos não tem a menor idéia do que seja isso. Pessoas são distintas e não uma fórmula matemática que seguem uma sequência lógica. Aproveito para abrir um parêntese aqui e deixar um pensamento que escrevi acerca dessa distinção que nós temos incrustado em nosso ser: “Somos todos igualmente diferentes, cada ser tem as suas peculiaridades. Uns nascem brancos, outros negros, outros amarelos ou vermelhos e outros, coitados, nem nascem.
Olhos azuis, castanhos, negros, verdes. Cada um diferente entre si, mas intimamente semelhantes.
Semelhantes sim, iguais jamais!
A criação de Deus jamais será redundante, é por esse e muitos outros motivos que digo: “Somos todos igualmente diferentes”.
E então, você pode me perguntar, onde se encaixa o titulo desse capitulo. Um osso duro de roer. Esse é o osso que alguns ficam roendo por terem uma visão tão míope Daquele que pode dar filé mignon para os que o amam, desde que esse filé venha a fazer bem e não mal. Infelizmente, alguns mais desavisados começam a achar que Deus é Fiel para fazer a sua vontade, independente da Dele. Crêem em uma fidelidade quase canina, daquela que basta o estalar de um dedo para que esse deus venha correndo aos pés do seu dono para fazer todas as suas vontades. Um deus que atende aos caprichos dos seres humanos é o que muitos idealizam para si, contudo esse hipotético deus seria o oposto daquele que sabe de nossas necessidades melhor do que nós mesmos e que nos assiste sempre para que Ele seja exaltado.
Vivemos uma época da história em que as pessoas vão a procura de Deus da mesma forma que vão fazer compras em um supermercado, quando seu estoque de comida está por acabar. Daí pegam seu carrinho e vão de prateleira em prateleira recolhendo os gêneros básicos e também os supérfluos para sua mantença mensal e como diz um ditado popular “seria cômico senão fosse trágico” a cegueira espiritual desses que entendem que possuem autoridade acima de Deus tentando coloca-lo contra a parede ou pasmem tentando inutilmente explora-lo o quanto podem. A televisão brasileira está recheada desses programas aonde um suposto homem de Deus conclama o povo a exigir seus direitos na área financeira e a se tornarem pessoas vencedoras com uma prosperidade fútil que os distanciam mais do Criador do que os aproxima, fazendo com que se tornem meros egoístas de si, sem que saibam diferenciar o vencer de Deus e o vencer da ótica do homem natural.
Nossos valores devem ser diferentes daquele que o mundo prega e enquanto muitos se enveredarem pelo caminho da prosperidade pregada por esse sistema continuarão a acreditar que só é feliz aquele que possuir bens e acumular fortuna.
O osso duro de roer está cada vez mais sendo devorado pelos desavisados que esperam menos do que Deus quer nos dar e pedem mais do que realmente necessitam. Homens e mulheres desorientados por se deixarem contaminar com as meias verdades que o sistema do mundo lhes empurra garganta abaixo, crendo que só é abençoado quem tem riquezas, quem tem saúde de ferro e quem não sabe o que é problema, e quando sabem os solucionam facilmente.
Só iremos usufruir o verdadeiro filé mignon quando estivermos dispostos a vivermos felizes no muito ou no pouco. Quando mesmo sem um travesseiro para repousarmos a cabeça sejamos felizes (Mateus. 8:20 ), quando nosso filho nascer em uma manjedoura junto a animais também o sejamos (Lucas. 2:16), quando morrer não signifique derrota, mas um passaporte para o lar eterno (Filipense. 1:21) e finalmente quando mesmo tendo um trono por direito, abdiquemos dele por respeito ao ungido de Deus (1 Samuel. 24: 10).
O osso deixará de ser duro de roer quando nos tornarmos pessoas que tenham suas mentes ativas neste mundo vivendo da melhor maneira, contudo pensando no grande dia do Senhor, em que nós seremos em plenitude finalmente. O osso já não será mais osso e o filé mignon será parte integrante de todos nós.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Dreamstime.com

sábado, 20 de março de 2010

Mãos atadas

Mãos atadas para ajudar, mãos atadas para entender o que se passa ao nosso redor, mãos atadas para dar amor e em conseqüência para recebê-lo.

Mãos! Belas mãos. Mãos de trabalhador, mãos calejadas, mãos suadas, poderosas ou frágeis, não importa! Se estão atadas para nada servem.

Mas, quando essas mãos atadas por si só e somente si...
...desatam, a expressão maior e verdadeira do amor desabrocha e surti seus efeitos.

Quando essas mãos se desatam, vejo que uma das mãos deve lavar a outra e assim viver, pois, mãos desatadas são sinônimo de vida.


Autor: Tom Alvim
Imagem:Stock.xchng

sexta-feira, 19 de março de 2010

Black or white?

A cultura americana sempre dispertou em mim uma grande fascinação, principalmente nos anos 80 porque a puberdade e a própria mídia me conduziam a isso. Depois de algum tempo começei a ouvir aqueles que diziam ser essa cultura enlatada uma coisa demoníaca, que beber Coca-Cola era coisa de alienado e que o Guaraná sim era a bebida ideal para nós brasileiros. Quantas bobagens! Cresci ouvindo frases feitas que eram usadas como algo engraçado e que foram tomando vulto e adquirindo estatus de verdades intocáveis, frases como: "No Brasil só pobre, preto e p* são presos" e outras frases que nem valem à pena serem escritas aqui. Mas aonde quero chegar com esse intróito?
Crescemos vendo filmes como "A cor do amor", "Mississipe em chamas" e começamos a fazer paralelos sem fundamentos entre eles e a nossa realidade e criamos uma mística sobre o assunto raça no Brasil. Eu não poderia deixar de falar sobre isso, pois "Nunca antes nesse país..." falou-se tanto sobre discriminação racial como hoje e nunca antes produziu-se tanta besteira sobre o mesmo. Para mim, deve-se falar sim, contudo devemos entender nossa própria realidade e não uma realidade enlatada dos EUA. Nossa história foi diferente, nossa terra foi colonizada de outra forma e a liberdade dos negros brasileiros deu-se de outra forma também. 

O problema no Brasil de 2010 é que existem pessoas que querem dividi-lo em uma nação branca e uma nação negra. Coisa que não existe aqui, primeiro porque ninguém é 100 por cento nada. Ninguém é 100% negro, ninguém é 100% branco no Brasil. Isso me fez lembrar de uma camiseta que um artista já falecido estava usando, nela estava escrito x% negro, y% branco, z% índio, 100% BRASILEIRO é isso que deveríamos ensinar em nossas escolas, que somos brasileiros e não Afro-brasileiros, Nipo-brasileiros, Luso-brasileiros, ou somos brasileiros ou somos estrangeiros. Devemos incutir em nossos filhos a ídeia de nação brasileira, de povo, de grupo unido que sonha em construir uma nação verdadeiramente original. Se alguém me perguntar qual a minha "raça" eu direi que sou mestiço, pois a minha carga genética é "vira-lata" (no bom sentido da palavra). Tenho avós por parte materna que são descendentes de negros - meu avô e descente de alemães - minha avó. Já por parte paterna a origem é européia. Então eu não admito que ninguém me obrigue a dizer que sou branco ou negro, eu mesmo me defino e digo que sou mestiço. O Estado não tem esse direito de me rotular, visto que em meu sangue está a mistura de várias etnias. Sou brasileiro, sou mestiço.

A algum tempo atrás veiculou-se em uma emissora de televisão um comercial que perguntava "Aonde você esconde o seu racismo?" e eu ficava pensando para quem eles faziam esta pergunta, pois aos mais desavisados pode parecer que a pergunta era direcionada apenas aos pseudos-brancos de nosso país, mas essa pergunta deveria ser direcionada a qualquer pessoa, defina-se ela como quiser, branca, negra, etc. Por que isso? Porque o racismo pode ocorrer de todos os lados (olha o perigo de dividir o Brasil em raças, já estou falando em lados. De um lado isso, de outro lado àquilo). Como exemplo clássico para mim, lembro-me quantas vezes minha irmã foi chamada de branca azeda por pessoas que não eram "brancas" e quantas vezes os meus sobrinhos foram chamados de branquelos também por quem não era "branco". E por falar em meus sobrinhos, esses estão perdidos, pois são "brancos", pobres e não vão poder usar o sistema de cotas que está sendo implantado em algumas Universidades brasileiras,  pobres meninos "brancos" ou estudam muito, ou nascem gênios, só não podem nascer "brancos", pois o Estado brasileiro não vai perdoar esse erro deles.

Se o sistemas injusto, discriminador e desigual das cotas racias for aprovado no Brasil, estaremos dando um tiro no pé, no pé das crianças "brancas" que nasceram e que ainda vão nascer nos lugares pobres do Brasil e isso vai ficar por isso mesmo, pois somos um povo que não luta por seus direitos, um povo que acredita em frases feitas e em filmes enlatados ou nacionas, um povo que logo se esquece das questões importantes nacionas e depois vai curtir um churrasco na laje ou jogar um bom futebol no campinho de vázea. Black or withe? Nenhum, nem outro, simplesmente 100% Brasileiro.

Autor: Tom Alvim
Imagem: Google

quinta-feira, 18 de março de 2010

Seres do toque

"E eis que uma mulher, que durante doze anos vinha padecendo de uma hemorragia, veio por trás dele e lhe tocou na orla da veste”. (Mateus. 9: 20)

Ao ler essa passagem na Bíblia, me dei conta de como nós seres humanos somos carentes, e o quanto necessitamos do contato humano. Digo humano, e não animal ou virtual como hoje está em voga. Falo do toque, do olhar nos olhos, do sentir e do se fazer sentir. Vivemos em um mundo cada vez mais isolacionista, onde as pessoas fecham-se em suas caixas protetoras e onde não há muito que se expor, na verdade o quanto menos se expor melhor. A violência nos tranca em nossos apartamentos e a falsidade em nosso interior, e assim, cada vez mais usamos máscaras para vivermos confortáveis em um mundo que por si só é desconfortável.
 
E em meio a esse turbilhão de subterfúgios encontramos a única medida cabível para que possamos ser em plenitude, ser sem fobias e sem traumas, encontramos Aquele que é desde a eternidade e que nos fez para que fossemos completos e não vazios, para que fossemos o que Ele sonhou para nós e nunca menos do que isso. O Deus eterno que nos abraça e nos ama se deixarmos, e que ao fazê-lo nos dá o que mais necessitamos; o contato pleno com o Ser pleno e dessa forma nos ensina que somos essencialmente seres do toque e que sem o toque apenas morreremos e definharemos. Lembro-me do exemplo maior de Jesus que sempre estava com a multidão, e sou convicto em crer que se hoje estivesse conosco em um corpo humano, Ele certamente não se esconderia em um automóvel à prova de bala e nem tampouco em uma enorme catedral, cheia de ouro, com vestimentas caras e pomposas. Pelo contrário, Ele estaria no meio do povo, comendo com ele, falando suas verdades, ouvindo suas histórias e se deixando tocar. Gosto de pensar em Jesus e na forma como Ele se relacionava com as pessoas, creio até que ele gostava de uma boa piada. É isso mesmo, você não leu errado, eu disse de uma boa e sadia piada, que o fizesse rir e até por que não dizer, dar boas gargalhadas. Você já se deixou pegar nesses momentos, rindo de algo engraçado? Se não, faça a experiência e pense em Deus se alegrando contigo e sorrindo também. Sei que você terá uma outra visão desse Deus maravilhoso.

Uma das histórias que mais me fascina na Bíblia é a da mulher que possuía um fluxo de sangue. Ela ousou entrar em meio à multidão e tocar Àquele que naturalmente sempre se deixou tocar. Só que alguns poucos que caminhavam com Ele já estavam começando a confundir Jesus com as autoridades romanas e judaicas. Eles deviam achar que as pessoas precisariam antes de se aproximar de Cristo, preencher alguns requisitos básicos, como por exemplo: um formulário em três vias, onde a via de cor vermelha seria entregue a algum discípulo designado para esse fim e as outras duas vias; bem as outras duas, sei lá, deveriam ser entregues na hora da audiência, então aquilo que deveria ser simples como o evangelho, tornara-se agora muito complicado como a religião, e essa história se reflete nas religiões que foram inventadas pelos próprios homens, por acharem que o evangelho era muito simples e que talvez, quem sabe, não funcionaria ou se funcionasse, não seria conforme os planos traçados por eles.

Esses homens inventaram uma enxurrada de obrigações que deveriam ser seguidas para que só depois, pudessem se achegar a Deus. Só que essa corajosa mulher não deu ouvidos a isso, ela de alguma forma sabia que Aquele homem era diferente do sistema, e que ela poderia se achegar a Ele sem burocracias humanas. Essa é a palavra, se achegar, se aconchegar, ir para junto do Criador e ser curada.

A única coisa que a separava de Cristo, eram outras pessoas que estavam próximas a Ele, mas que ainda não haviam entendido quem na verdade Ele era, não haviam entendido nada e assim parecendo próximos estavam separados do Deus eterno por um imenso e profundo abismo.

Isso me faz lembrar de algo que vi recentemente na televisão. Era um dia como outro qualquer, as coisas aconteciam normalmente como em qualquer outro lugar, as pessoas que ali estavam eram como outras quaisquer, contudo elas esperavam alguém especial, o mandatário maior da nação brasileira e quiçá da América do Sul, seu nome é Luís Inácio Lula da Silva, mas conhecido por Lula, um homem que apesar de estar em uma alta posição e saber disso, procura sempre que pode se achegar ao povo, de onde ele veio e foi isso que aconteceu para o nervosismo dos seguranças, Lula desceu até o povo e ali ficou por algum tempo, tocando e se deixando tocar por essas pessoas. 

Não quero compara-lo a Cristo, até por que nesse mundo não há um ser humano sequer que possa ter uma centelha de equiparação a Ele, mas essa atitude do Presidente Lula o diferencia de todos os outros que já passaram pelo Poder, geralmente eram homens cultos, que nasceram em berços de ouro e que por isso jamais sentiram de perto o clamor das pessoas reais e quando chegavam ao Poder, ali permaneciam intocáveis e distante da vida real (Detalhe: Não votei  e NUNCA  votaria no Presidente Lula e não me arrependo disto, mas sei admirar essa faceta do seu caráter). 

Jesus nasceu em uma manjedoura, rodeado por animais em uma estrebaria pobre de Belém, cresceu no meio do povo Judeu, sendo criança, adolescente e jovem, como todos nós e pôde sentir na pele, tudo o que sentimos e muito mais por ser Ele Deus, sua percepção de vida era muito mais aguçada do que a nossa. Por isso, Jesus entende que o toque é quase tão importante quanto o ar que respiramos, pois sem esse ar nós definhamos e morremos em poucos instantes. Sem o toque nós nos distanciamos das pessoas e Daquele que as criou. Um Deus pessoal que com certeza gosta de ajuntamentos e que gosta de nossa presença, irá sempre nos convidar a estarmos com Ele festejando a vida em sua plenitude.
Autor: Tom Alvim
Imagem: Google

quarta-feira, 17 de março de 2010

Indagações


Poderia eu entender Deus?
Poderia eu julgar conhecê-lo?
Como poderia entender sua simplicidade em meio a sua aparente complexidade?

É devido a essas e mais centenas de outras indagações, que o homem tem em uma busca desenfreada e louca, tentado encontrar respostas às suas necessidades vitais. Muitos têm procurado complicar onde é simples, pois, banalizam aquilo que não pode ser banalizado.
E assim alguns homens seguem suas vidas sempre indagando:

Poderia eu entender Deus?
Poderia eu julgar conhecê-lo?


Tom Alvim
Créditos da imagem: Marco Bellucci

segunda-feira, 15 de março de 2010

Escrever


Quero escrever sem compromisso,
para libertar o oprimido e ver estampado no seu rosto
um imenso sorriso.

Quero ater-me ao ínfimo instante,
onde tudo acontece e nada é impossível.

Seu olhar é importante,
não menos que o do Zé.

Uma visão é um diamante bruto ou já lapidado,
mas quando nela não há emoção, sentimento, deixa de
ser uma visão e passa a ser uma alucinação.

Leia, releia, procure entender.
Caso não consiga não importa!
Eu só quero escrever sem grandes pretensões.

Se entenderem isso, não fiquem embaraçados,
porque com certeza meu objetivo já terá sido alcançado.

Tom Alvim
Imagem:Stock.xchng

Impressões sem pressões

É interessante o título escolhido para iniciar este blog, impressões sem pressões. Parece-me impossível você expor suas impressões sem sofrer pressão alguma, na verdade sempre que você o fizer naturalmente será pressionado, questionado, avaliado. Mas, mesmo assim vou deixar este tema, ele não importa tanto, o mais importante será o seu conteúdo, aqui irei tentar comentar fatos de nossa sociedade que me incomodam um pouco, mas que tenho minhas impressões e tenho minhas opiniões.
Um grande abraço para todos.

Tom Alvim.

Obs.: Comentem se não perde a graça do blog....rs